Curiosidades
10 mitos da cerveja: verdadeiro ou falso?

A cerveja preta é mais intensa? O seu consumo moderado é benéfico para a saúde? A espuma da cerveja não serve para nada? A cerveja não deve ser bebida às refeições? Deixa de parte todas as dúvidas, nós esclarecemos tudo sobre os mitos da cerveja.

Verdadeiro ou falso? Depois de leres este artigo vais encontrar resposta para dez mitos da cerveja. Acredita, nunca mais vai olhar para esta bebida da mesma forma.

10 MITOS DA CERVEJA

Image

1. a cerveja preta é mais intensa?

Falso. A verdade é que a cor da cerveja não indica o quão intensa esta possa ser. A cerveja preta tem sim um sabor mais tostado, podendo fazer lembrar o café ou o chocolate amargo até. No entanto, as mais claras podem ter um teor alcoólico mais elevado e serem mais encorpadas do que as pretas. Uma cerveja atinge a sua cor devido ao tipo de malte usado e respetivos graus de torrefação. É isso que lhe dá um sabor que se assemelha ao café ou ao chocolate.

2. A CERVEJA EM LATA TEM UM SABOR METÁLICO?

Falso. Testes cegos mostram que não há diferenças de sabor entre uma cerveja de garrafa de vidro e uma de lata. Vantagens? Menor contacto da luz com o líquido conservando aromas e sabores, por um período de tempo maior.

3. A CERVEJA É UMA BEBIDA PARA ACOMPANHAR UMA REFEIÇÃO?

Verdadeiro. No que toca à cerveja, quando se fala em harmonizações com determinado prato, não vale a pena impor regras. Experimentar combinações novas e únicas pode ser interessante. Tenha algumas diretrizes em mente:

Contraste: Junte sabores opostos e deixe que estabeleçam o equilíbrio. Experimente, por exemplo, uma Super Bock Selecção 1927 IPA com um tradicional pudim abade de Priscos. O contraste entre o amargor da cerveja e o doce do pudim revela-se um casamento perfeito.

Complemento: Uma dupla perfeita pode ser feita por complemento de sabores. Cervejas maltadas com notas doces e tostadas, como a Super Bock Selecção 1927 Munich Dunkel podem ser complementadas com ingredientes terrosos como cogumelos salteados ao alho. Experimente também com uma sobremesa com ingredientes lácticos que peçam o carácter mais caramelizado da cerveja, como uma panacotta de caramelo e mel.

4. O CONSUMO MODERADO DE CERVEJA É BENÉFICO PARA A SAÚDE?

Verdadeiro. Vários estudos comprovam que o consumo de cerveja em quantidades moderadas é benéfico. Primeiro, é fermentada através de um processo natural, sem adição de compostos químicos ou artificiais. Depois, o seu alto teor de água (90 a 95%) e o seu baixo teor de álcool fazem com que não tenha muitas calorias - em média, por cada 200 ml, a cerveja tem 82 kcal.

O lúpulo e o malte são ricos em antioxidantes, que combatem os radicais livres que dão origem à oxidação celular e esta a várias doenças. O silício, um dos minerais presente no malte, tem um papel fundamental para a manutenção do colagénio e da densidade óssea, ajudando na prevenção de fraturas. Os homens podem consumir cerca de 400ml e as mulheres 200ml de cerveja por dia.

5. SE ESTIVER TURVA A CERVEJA ESTÁ ESTRAGADA?

Falso. O facto de uma cerveja estar turva não significa que esteja estragada. O sedimento é composto principalmente por levedura que não foi filtrada e há alguns tipos de cerveja em que isso é propositado. Caso das cervejas de trigo alemãs, as Weiss, como são conhecidas.

6. A CERVEJA É SEMPRE AMARGA?

Falso. É a variedade do lúpulo que determina o amargor da cerveja. O amargo é o sabor que mais se associa a esta bebida, mas existem cervejas que são marcadamente mais doces, outras mais ácidas, e mesmo algumas em que o sabor predominante é o salgado. Tudo depende da combinação dos ingredientes e do tipo de fermentação com que as cervejas são elaboradas.

7. A CERVEJA NÃO PODE SER ENVELHECIDA

Falso. Beber cerveja “fresca”, no sentido temporal e não de temperatura é o indicado para a maioria das cervejas. Isso deve-se à volatilidade dos compostos que podem fazer variar o sabor da cerveja. Com o tempo, não só o sabor, mas também as proteínas que dão corpo à cerveja poderão lentamente fazê-la oxidar.


No entanto, há cervejas que podem envelhecer alguns anos e muito bem, como é o caso de várias cervejas que têm um volume de álcool mais elevado, ou seja, de oito por cento para cima. O mesmo acontece com as que são produzidas com leveduras selvagens, ou que na sua fermentação incluam microorganismos que lhe irão conferir características de acidez (como é o caso dos lactobacillus, pediococcus, brettanomyces), ou ainda as que são feitas com maltes fumados. Quais são as vantagens? O envelhecimento suaviza e diminui notas de sabores intensos, o que permite que estes sabores se misturem e ganhem complexidade. Resultado: uns revelam-se e outros neutralizam-se.

8. A CERVEJA DEVE BEBER-SE GELADA

Falso. Nem sempre. Este é um dos mitos da cerveja mais frequentes. E a razão é simples: Pilsener. Este estilo que é o mais bebido em Portugal, consome-se, normalmente, entre os três e os sete graus celsius. Já uma cerveja como a Porter pode ser servida até aos 13 graus. São os aromas e os sabores que mostram o caminho. Isto porque as temperaturas muito baixas podem não permitir a volatilização dos ingredientes aromáticos, para além de alterarem a perceção do amargor e sabor esperado da cerveja, diminuindo assim a sua apreciação em pleno. Tem presente que uma cerveja demasiado gelada “anestesia” as papilas gustativas, alterando a sensibilidade para a degustar.

9. A CERVEJA DEVE SER ARMAZENADA NO FRIGORÍFICO DEITADA

Falso. Tratando-se de uma garrafa de cápsula ou de tampa em mola, a melhor posição para guardar as cervejas será de pé para que a superfície de contacto do líquido com o ar no interior da garrafa seja menor. No entanto, caso seja uma garrafa de rolha, deverá ser armazenada deitada, contribuindo para que a rolha não seque.

10. QUEM NÃO GOSTA DE CERVEJA, NUNCA VAI GOSTAR

Falso. Quem diz não gostar de cerveja é porque provavelmente ainda não experimentou algumas das melhores variedades do mundo. Nem todas as cervejas são produzidas da mesma forma, logo, existem inúmeros tipos desta bebida. Há cervejas mais amargas, outras doces e outras ainda ácidas. É uma questão de se ir experimentando.

DESCOBRE ONDE A CERVEJA VIVE.
VEM CONHECER A SUPER BOCK CASA DA CERVEJA